expand/collapse risk warning

CFDs apresentam um elevado risco de perda rápida de capital devido à alavancagem. 71% das contas perdem dinheiro ao operar CFDs com este fornecedor. Compreenda os CFDs e avalie o seu risco.

Os CFDs são instrumentos complexos e apresentam um alto risco de perda rápida de dinheiro devido à alavancagem. 71% das contas de investidores de varejo perdem dinheiro ao negociar CFDs com este fornecedor. Você deve levar em conta sua compreensão de como funcionam os CFDs e se pode correr o alto risco de perder seu dinheiro.

71% of retail investor accounts lose money when trading CFDs with this provider.

Termos de Negociação

Colapso bancário: a queda do Silicon Valley Bank em 2023 e mais

Banking collapse image representation

Mais Penhasco que Vale: O Colapso do SVB

Um dos credores mais proeminentes no mundo das startups de tecnologia quebrou em 10 de março, forçando o governo dos EUA a intervir.

Neste artigo, discutiremos o que levou um grande credor a startups americanas a falir, quais são os maiores colapsos de bancos em valor e participação de mercado, as classes de ativos que foram afetadas positiva e negativamente e como identificar o contágio no sistema financeiro .

A Queda do Banco do Vale do Silício

Lentamente, então de repente: com quase US$ 200 bilhões em ativos, o Silicon Valley Bank (SVB), o 16º maior credor dos Estados Unidos, faliu. Com o tempo, sua situação financeira piorou, mas levou apenas dois dias entre a divulgação do banco com sede em São Francisco, em 8 de março, de que pretendia levantar US$ 2,5 bilhões para fechar um buraco em seu balanço e a notificação de que o SVB havia entrado em colapso pelo Federal Deposit Insurance Corporation, que supervisiona os depósitos em bancos americanos.

Uma breve história do SVB

Tem sido uma instituição financeira próspera especializada na prestação de serviços bancários para empresas de tecnologia e ciências da vida, capitalistas de risco e empresas de private equity. Fundada em 1983, a SVB está sediada em Santa Clara, Califórnia, e possui filiais e escritórios em diversas localidades ao redor do mundo. Foi considerado um dos principais bancos para startups e negócios inovadores e tem sido fundamental para ajudar muitas empresas do setor de tecnologia a crescer e ter sucesso.

Falências anteriores de bancos nos Estados Unidos

Ao longo do século passado, houve vários grandes colapsos de bancos que tiveram impactos de longo alcance no sistema financeiro global. Desde o primeiro colapso do Silicon Valley Bank em 1983 até o Lehman Brothers em 2008 e a nacionalização do Banco Espírito Santo em 2014, essas falhas destacaram a interconectividade do sistema financeiro e a necessidade de estratégias eficazes de gerenciamento de risco.

Falhar. Colisão. Colapso.

Em 8 de março de 2023, após uma corrida bancária que obrigou o credor da Califórnia a vender alguns de seus instrumentos de dívida, o Silvergate Capital, um banco focado em criptomoedas, declarou que fecharia suas portas e liquidaria seus ativos.

Os investidores ficaram alarmados quando o SVB declarou que precisava fortalecer seu balanço e levantar $ 2 bilhões em capital. Foi obrigado a vender uma carteira de títulos com prejuízo de US$ 1,8 bilhão. A classificação dos títulos do banco foi reduzida pela agência de classificação de crédito Moody's, e sua perspectiva foi alterada de estável para negativa.

Foi assim que um dos credores mais conhecidos da comunidade de startups, o Silicon Valley Bank, falhou. A fim de acalmar as preocupações e reduzir o risco no sistema financeiro mais amplo, os reguladores federais intervieram.

Implicações para o setor financeiro

O colapso do Silicon Valley Bank levou à falência de um segundo banco e levou os reguladores a agir para conter as consequências no sistema bancário dos EUA.
Erros de ambição e gerenciamento: embora Gregory Becker, CEO do Silicon Valley Bank, tenha elogiado o avanço tecnológico, a organização foi pega de surpresa pela mudança econômica.
O custo do Vale do Silício: o incidente expôs as fraquezas do setor de tecnologia, apesar das garantias do governo de que os depositantes seriam capazes de recuperar seu dinheiro do Silicon Valley Bank.
Investigação federal supostamente lançada pelo Departamento de Justiça investigando a falência do Banco do Vale do Silício. O foco, de acordo com especialistas jurídicos, pode estar em vendas privilegiadas feitas por vários executivos do banco nas semanas anteriores ao desastre.

Implicações potenciais para o ciclo de aumento de juros do Fed

A questão-chave agora é se o colapso do SVB e a criação do BTFP marcam o "ponto de ruptura" para este ciclo do "ponto de ruptura" para este ciclo do Fed. Porque se assim for, tem implicações para a avaliação de todos os ativos, incluindo ações.

Vamos dar uma olhada em alguns dos maiores colapsos de bancos por...

1.) Valor

O colapso do Lehman Brothers em 2008 continua sendo a maior falência da história dos Estados Unidos, com um valor estimado de mais de US$ 600 bilhões. A falência do banco, que investia pesadamente em hipotecas subprime, teve impactos de longo alcance no sistema financeiro global e levou a uma crise de crédito generalizada.

Outros grandes colapsos bancários por valor incluem o colapso do BCCI em 1991, que resultou em uma perda de bilhões de dólares para investidores e depositantes, e o colapso do Continental Illinois National Bank and Trust Company em 1984, que exigiu um resgate do governo.

2.) Participação de mercado

Além de seu valor, a participação de mercado de um banco também pode ter impactos significativos no sistema financeiro.

Por exemplo, o Royal Bank of Scotland (RBS) foi o maior banco falido da história por capitalização de mercado, com uma participação de mercado de mais de 5% no Reino Unido. O RBS exigiu um resgate de £ 45 bilhões do governo do Reino Unido depois de enfrentar perdas significativas devido à crise financeira.

Outras grandes falências de bancos por participação de mercado incluem Bankia na Espanha e Dexia na Bélgica-França. Ambos os bancos exigiram resgates do governo após perdas significativas nos mercados de dívida soberana grega e italiana.

Quem ganhou dinheiro com colapsos de bancos?

Embora muitos investidores tenham sofrido perdas significativas durante esses colapsos bancários, também houve aqueles que conseguiram lucrar com a instabilidade dos mercados. Outros investidores conseguiram tirar vantagem dos preços difíceis das ações dos bancos e de outros ativos, comprando na baixa e vendendo na alta conforme os mercados se recuperavam.

Você sabia? O vendedor a descoberto e gerente de fundos de hedge John Paulson ganhou bilhões de dólares apostando contra o mercado imobiliário que levou à crise financeira de 2008.

Qual é o seu estilo de negociação?

Não importa o campo de jogo, conhecer seu estilo é o primeiro passo para o sucesso.

Faça o teste

Quais classes de ativos foram afetadas negativamente pelos colapsos dos bancos?

Os setores financeiro e imobiliário foram particularmente atingidos pelos colapsos bancários, levando a perdas significativas para os investidores. As ações de bancos, como as do Lehman Brothers e do RBS, despencaram de valor quando a crise financeira se instalou.

As ações imobiliárias e outros ativos relacionados, como títulos lastreados em hipotecas, também sofreram perdas significativas.

Por exemplo, o colapso do mercado imobiliário dos EUA teve impactos significativos na economia em geral e levou a perdas generalizadas para os investidores em títulos lastreados em hipotecas.

Muitas classes de ativos foram duramente atingidas pela crise financeira de 2008. Ações, mercadorias e imóveis sofreram perdas significativas no curto prazo. No entanto, muitas dessas classes de ativos se recuperaram com relativa rapidez. No início de 2009, as ações começaram uma forte recuperação que continuou por vários anos, com o índice SPX500 mais do que dobrando de valor até o final de 2013.

Da mesma forma, commodities como óleo e ouro, que sofreram quedas acentuadas após a crise, se recuperaram nos anos que se seguiu. O setor imobiliário, duramente atingido pela crise das hipotecas subprime, também começou a se recuperar nos anos posteriores a 2008, embora a recuperação tenha sido mais lenta e desigual do que a de outras classes de ativos.

Além de ações e imóveis, os títulos corporativos de alto rendimento também sofreram após a crise financeira. No entanto, como outras classes de ativos, eles se recuperaram rapidamente. Em 2009, os fundos de títulos de alto rendimento haviam se recuperado de suas baixas e continuaram a ter um bom desempenho nos anos seguintes.

Asset

As classes de ativos afetadas positivamente

Em tempos de incerteza financeira, os investidores muitas vezes recorrem a ativos portos-seguros, como ouro e títulos do governo.

Por exemplo, o SPDR Gold Shares ETF, que acompanha o preço do ouro, obteve ganhos significativos durante a crise financeira, pois os investidores buscavam investimentos seguros. Da mesma forma, os títulos do Tesouro dos EUA são frequentemente considerados um ativo de refúgio e podem aumentar de valor em tempos de turbulência no mercado.

As ações defensivas, como Johnson & Johnson e Procter & Gamble, também tiveram desempenho relativamente bem durante a crise financeira. Essas empresas são consideradas menos sensíveis aos ciclos econômicos e podem ter um desempenho melhor durante as desacelerações do mercado. Tanto a J&J quanto a P&G têm investimentos significativos em empresas de biotecnologia, muitas das quais têm seus depósitos no Silicon Valley Bank.

Como identificar o contágio

O contágio refere-se à propagação da instabilidade financeira de um setor ou instituição para outro e pode ter impactos significativos no sistema financeiro mais amplo. Identificar o contágio desde o início é fundamental para mitigar seus impactos e prevenir uma crise financeira generalizada.

Uma maneira de identificar o contágio é monitorar as taxas de empréstimos interbancários. Quando os bancos relutam em emprestar uns aos outros, isso pode indicar falta de confiança no sistema financeiro.
Credit default swap spreads também pode ser um indicador de contágio. Credit default swaps são essencialmente contratos de seguro que protegem os investidores contra a inadimplência de um título ou outro instrumento de dívida. default swaps se ampliam, isso pode indicar maior risco nos mercados
Além disso, monitorar o desempenho de classes de ativos e instrumentos específicos pode fornecer informações sobre a saúde do sistema financeiro. Por exemplo, se um determinado setor, como imobiliário ou tecnologia, está passando por perdas significativas, pode ser um sinal de alerta de contágio mais amplo.

Conclusão:

Os colapsos bancários do século passado destacaram a importância de uma gestão de risco eficaz e a necessidade de vigilância no monitoramento do sistema financeiro. Embora essas falhas tenham tido impactos significativos na economia global, elas também fornecem lições importantes para investidores e formuladores de políticas.

Os investidores podem se proteger da instabilidade financeira diversificando suas carteiras e investindo em ativos portos-seguros em tempos de incerteza do mercado. Os formuladores de políticas podem mitigar os impactos do contágio implementando regulamentação e supervisão eficazes do sistema financeiro.

Mantendo-se vigilantes e respondendo aos sinais de alerta de instabilidade financeira, os investidores e formuladores de políticas podem ajudar a garantir um sistema financeiro estável e resiliente nos próximos anos.

Não é um conselho de investimento. Desempenho passado não garante ou prevê desempenho futuro.