expand/collapse risk warning

O trading de produtos financeiros com alavancagem apresenta um alto risco e não é adequada para todos os investidores. Entenda os CFDs e avalie sua tolerância ao risco.

Negociar produtos financeiros com margem envolve um alto grau de risco e não é indicado para todos os investidores. Certifique-se de compreender totalmente os riscos e de tomar o devido cuidado para gerenciá-los.

Your capital is at risk.

Trading Terms

Bolha especulativa: causas e efeitos

Pessoas na frente de gráficos com bolhas acima deles, simbolizando uma bolha especulativa.

A bolha especulativa é um fenómeno económico que tem intrigado economistas, investidores e indivíduos comuns. Imagine um mundo onde os preços sobem a níveis inimagináveis, impulsionados não pela racionalidade ou pelo valor intrínseco, mas por uma mistura inebriante de ganância, exagero e o desejo humano de fortunas rápidas. Neste domínio, os investimentos tornam-se uma emocionante viagem de montanha-russa, sem qualquer base sólida para ancorar o seu valor.

As bolhas especulativas têm o poder de cativar e confundir, atraindo participantes ansiosos de todas as esferas da vida. Estas anomalias económicas, alimentadas pela exuberância irracional, criam uma paisagem aparentemente mágica onde as regras normais da oferta e demanda perdem o seu controlo. Ativos, sejam ações, imóveis ou criptomoedas, experimentam um aumento de valor sobrenatural, transcendendo qualquer justificativa fundamental. E tão rapidamente quanto sobem, inevitavelmente desabam. Mas o que é exactamente uma bolha especulativa?

Experimente a plataforma premiada da Skilling
Experimente qualquer uma das plataformas de negociação da Skilling no dispositivo de sua escolha na web, Android ou iOS.
Inscrever-se

O que é uma bolha de especulação?

Uma bolha especulativa, também conhecida como bolha económica ou de ativos, refere-se a uma situação nos mercados financeiros onde os preços de certos ativos, como ações, imóveis ou criptomoedas, ficam significativamente inflacionados para além do seu valor intrínseco. Numa bolha especulativa, os preços são impulsionados principalmente pelo otimismo dos investidores, pela euforia e pela antecipação de novos aumentos de preços, e não pelo valor fundamental subjacente do ativo.

Por que isso acontece?

Bolhas especulativas podem ocorrer devido a uma combinação de fatores psicológicos, econômicos e de mercado . Aqui estão algumas das principais razões pelas quais as bolhas especulativas acontecem:

Mentalidade de rebanho

A psicologia humana desempenha um papel significativo na formação de bolhas especulativas. As pessoas tendem a ser influenciadas pelas ações e opiniões dos outros, especialmente em situações incertas. Quando um determinado activo ou segmento de mercado começa a registar rápidos aumentos de preços, o medo de perder (FOMO) leva muitos investidores a juntarem-se ao frenesim, criando um ciclo de compra e aumento de preços que se auto-reforça.

Otimismo e euforia dos investidores

Durante uma bolha, os investidores tornam-se excessivamente optimistas quanto às perspectivas de um activo. Eles acreditam que os preços continuarão a subir indefinidamente, muitas vezes impulsionados por notícias positivas, exageros ou promessas de retornos extraordinários. Este otimismo e euforia levam ao desrespeito pelas métricas de avaliação tradicionais e ao foco nos ganhos de curto prazo, inflacionando ainda mais os preços.

Crédito fácil e políticas monetárias flexíveis

O acesso a crédito barato e abundante também pode alimentar bolhas especulativas. Quando as taxas de juro são baixas, os empréstimos tornam-se mais acessíveis, encorajando os investidores a contrair dívida excessivas para financiar os seus investimentos. Políticas monetárias flexíveis, como as implementadas pelos bancos centrais para estimular o crescimento económico, também podem criar um ambiente de liquidez abundante que se transforma em activos especulativos.

Desequilíbrios de Mercado

Bolhas especulativas também podem surgir quando há uma desconexão entre o valor fundamental de um ativo e seu preço de mercado . Este desequilíbrio pode ocorrer devido a fatores como oferta limitada, procura excessiva ou expectativas exageradas de lucros ou crescimento futuros. Quando estes desequilíbrios se tornam pronunciados, os preços podem disparar, desviando-se ainda mais do valor intrínseco do activo.

Influência e hype da mídia

A cobertura mediática e a difusão de informação também podem contribuir para a formação destas bolhas. Notícias e narrativas positivas em torno de determinados ativos podem gerar entusiasmo e atrair mais investidores. Os meios de comunicação social, os analistas financeiros e as plataformas de redes sociais podem amplificar o entusiasmo, alimentando ainda mais o entusiasmo dos investidores e reforçando a percepção de preços cada vez mais elevados.

Falta de supervisão regulatória

Em alguns casos, a ausência ou a aplicação negligente das regulamentações pode contribuir para a formação de bolhas especulativas. Práticas fraudulentas, desinformação ou gestão de risco podem não ser controladas, criando um ambiente onde a especulação excessiva pode prosperar.

Fases diferentes

As fases de uma bolha especulativa podem ser amplamente categorizadas da seguinte forma:

  1. Fase furtiva: Na fase furtiva, o ativo ou segmento de mercado que está passando pela bolha começa a mostrar sinais de desempenho superior, mas passa despercebido ou é reconhecido apenas por alguns investidores astutos. Os preços começam a subir, impulsionados pelos primeiros adotantes ou por aqueles que identificam o valor subjacente ou potencial do ativo. A atenção geral e a participação dos investidores são limitadas durante esta fase.
  2. Fase de conscientização: Durante a fase de conscientização, a notícia do notável desempenho do ativo começa a se espalhar, atraindo mais a atenção dos investidores. A cobertura mediática aumenta e as discussões sobre os ganhos potenciais do activo tornam-se mais comuns. À medida que os preços continuam a subir, mais investidores começam a prestar atenção, levando a um aumento da atividade de compra. No entanto, o ativo ainda não é amplamente conhecido ou compreendido pelo público em geral nesta fase.
  3. Fase de mania: A fase de mania é caracterizada por um aumento explosivo nos preços e ampla participação dos investidores. Alimentados pela crescente cobertura mediática, pelo entusiasmo e por um sentimento de urgência em aderir, um grande número de investidores apressa-se a investir no ativo, muitas vezes motivados pelo medo de perdê-lo. A especulação domina o mercado, com pouca consideração pelo valor subjacente ou pelos fundamentos do ativo. Os preços disparam rapidamente, atingindo frequentemente níveis irracionais e insustentáveis.
  4. __Fase de sopro:__A fase de sopro marca o pico da bolha especulativa. Os preços atingem níveis extremos, muito distantes de qualquer medida razoável de valor. Os excessos especulativos tornam-se flagrantemente óbvios e a euforia atinge o seu apogeu. Neste ponto, um pequeno grupo de investidores experientes pode começar a realizar lucros, pressentindo o colapso iminente. Contudo, a maioria dos investidores continua apanhada na mania, alimentada pela crença de que os preços continuarão a subir indefinidamente. Eventualmente, a bolha rebenta e os preços sofrem um declínio rápido e dramático, muitas vezes provocando pânico nas vendas e perdas significativas.

Efeitos e consequências

Quando um mercado sofre um declínio, os preços tendem a cair e o mercado regressa ao seu estado pré-bolha, regressando aos níveis de preços anteriores. Isto tem consequências desastrosas para os investidores que compraram quantidades significativas do activo a preços muito mais elevados.

Um dos exemplos mais famosos de bolha especulativa na história foi o fenômeno conhecido como “tulipomania”. Durante a primeira metade do século XVII, na Holanda, o preço das tulipas disparou para níveis surpreendentes, impulsionado apenas pela especulação sobre os preços futuros das tulipas. A flor icónica dos Países Baixos tornou-se um símbolo de prestígio, levando os nobres a envolverem-se em guerras de licitações, elevando os preços cada vez mais.

No entanto, este esquema insustentável acabou por ruir, resultando numa queda acentuada dos preços das flores. Como resultado, vários investidores holandeses que investiram pesadamente na indústria das tulipas sofreram a ruína financeira.

Qual é o seu estilo de negociação?
Não importa o campo de jogo, conhecer seu estilo é o primeiro passo para o sucesso.
Faça o teste

Lista de eventos anteriores

  • Mania das tulipas (1636-1637): Como mencionado anteriormente, a mania das tulipas holandesas é uma das bolhas especulativas mais conhecidas da história. Os bulbos de tulipa na Holanda atingiram preços astronômicos, com alguns bulbos sendo vendidos pelo equivalente a uma casa luxuosa. No entanto, a bolha rebentou, levando a um colapso acentuado nos preços das tulipas e causando perdas financeiras significativas aos investidores.
  • Bolha dos Mares do Sul (1720): A bolha dos Mares do Sul ocorreu na Grã-Bretanha quando a empresa dos Mares do Sul, que detinha o monopólio do comércio com a América do Sul, viu os preços das suas ações subirem para níveis extraordinários. Os especuladores, movidos pela promessa de enormes lucros provenientes de empreendimentos comerciais, investiram pesadamente. No entanto, a bolha acabou por rebentar, causando uma quebra do mercado de ações e uma ruína financeira generalizada.
  • Bolha pontocom (final da década de 1990 até início de 2000): A bolha pontocom foi alimentada pelo rápido crescimento das empresas baseadas na Internet. Os investidores ficaram cativados pelo potencial da Internet e investiram dinheiro em ações pontocom, muitas vezes sem considerar os fundamentos empresariais subjacentes. No entanto, muitas destas empresas não dispunham de modelos de receitas sustentáveis ​​e acabaram por entrar em colapso, conduzindo a uma recessão significativa do mercado .
  • Bolha do mercado imobiliário (meados dos anos 2000): A bolha do mercado imobiliário refere-se à especulação excessiva e à supervalorização dos imóveis que ocorreram antes da crise financeira de 2008. O fácil acesso ao crédito e a crença no aumento constante dos preços da habitação levaram a um aumento da procura, levando os preços a níveis insustentáveis. Quando a bolha rebentou, desencadeada por incumprimentos das hipotecas subprime, resultou numa crise financeira global e num declínio acentuado nos preços da habitação.
  • Bolha da criptomoeda (2017): Em 2017, o valor das criptomoedas, especialmente do Bitcoin, experimentou um aumento sem precedentes. O frenesim especulativo levou a um aumento maciço dos preços, atraindo a atenção e o investimento do grande público. No entanto, a bolha acabou por rebentar e os preços das criptomoedas despencaram, realçando a volatilidade e os riscos associados a esta classe de ativos emergente.

Resumo

Por trás do espetáculo deslumbrante de uma bolha especulativa estão lições profundas. Eles expõem as vulnerabilidades dos nossos mercados financeiros, revelando os perigos do otimismo desenfreado, da alavancagem excessiva e das armadilhas de seguir a manada. Lembram-nos a importância de princípios de investimento sólidos, análises rigorosas e uma compreensão profunda dos activos em que investimos.

Desempenho passado não garante ou prevê desempenho futuro. Este artigo é oferecido apenas para fins de informação geral e não constitui conselho de investimento.

Experimente a plataforma premiada da Skilling
Experimente qualquer uma das plataformas de negociação da Skilling no dispositivo de sua escolha na web, Android ou iOS.
Inscrever-se
Qual é o seu estilo de negociação?
Não importa o campo de jogo, conhecer seu estilo é o primeiro passo para o sucesso.
Faça o teste