expand/collapse risk warning

CFDs apresentam um elevado risco de perda rápida de capital devido à alavancagem. 71% das contas perdem dinheiro ao operar CFDs com este fornecedor. Compreenda os CFDs e avalie o seu risco.

Os CFDs são instrumentos complexos e apresentam um alto risco de perda rápida de dinheiro devido à alavancagem. 79% das contas de investidores de varejo perdem dinheiro ao negociar CFDs com este fornecedor. Você deve levar em conta sua compreensão de como funcionam os CFDs e se pode correr o alto risco de perder seu dinheiro.

79% of retail investor accounts lose money when trading CFDs with this provider.

Carregando...

Preço do Ouro (XAUUSD): Gráfico de Preços Hoje

[[ data.name ]]

[[ data.ticker ]]

[[ data.price ]] [[ data.change ]] ([[ data.changePercent ]]%)

Baixo: [[ data.low ]]

Alto: [[ data.high ]]

Visão geral do preço do ouro

Oportunidades de trading em ouro

Estratégias de trading de ouro

Visão geral do preço do ouro

Oportunidades de trading em ouro

Estratégias de trading de ouro

Preço do Ouro Hoje

De todos os metais preciosos, o ouro é o mais popular como investimento. Os investidores geralmente compram ouro como uma forma de diversificar o risco, especialmente por meio do uso de contratos futuros e derivativos. O mercado de ouro está sujeito à especulação e à volatilidade, assim como outros mercados. Em comparação com outros metais preciosos usados para investimento, o ouro tem sido o porto seguro mais eficaz em vários países.

O ouro tem sido usado ao longo da história como dinheiro e tem sido um padrão relativo para equivalentes de moeda específicos de regiões econômicas ou países, até recentemente. Muitos países europeus implementaram padrões de ouro na última parte do século XIX, até serem temporariamente suspensos durante as crises financeiras que envolveram a Primeira Guerra Mundial. Após a Segunda Guerra Mundial, o sistema de Bretton Woods atrelou o dólar americano ao ouro a uma taxa de US$ 35 por onça troy. O sistema existiu até o choque de Nixon em 1971, quando os EUA suspenderam unilateralmente a conversibilidade direta do dólar americano em ouro e fizeram a transição para um sistema de moeda fiduciária. A última moeda importante a se desvincular do ouro foi o franco suíço em 2000.

Desde 1919, a referência mais comum para o preço do ouro tem sido a fixação do ouro em Londres, uma reunião telefônica duas vezes por dia de representantes de cinco empresas de comércio de ouro do mercado de ouro de Londres. Além disso, o ouro é negociado continuamente em todo o mundo com base no preço à vista intradiário, derivado de mercados de balcão de negociação de ouro em todo o mundo (código "XAU").

Fatores de influência de preço do ouro hoje

Como a maioria das commodities, o preço do ouro é impulsionado pela oferta e demanda, incluindo a demanda especulativa. No entanto, diferentemente da maioria das outras commodities, a poupança e o descarte desempenham um papel maior na influência do preço do que o consumo. A maior parte do ouro já extraído ainda existe em forma acessível, como barras de ouro e joias produzidas em massa, com pouco valor em relação ao seu peso fino - portanto, é quase tão líquido quanto barras de ouro e pode voltar ao mercado de ouro. No final de 2006, estimava-se que todo o ouro já extraído totalizava 158.000 toneladas (156.000 toneladas longas; 174.000 toneladas curtas).

Dada a enorme quantidade de ouro armazenada acima do solo em comparação com a produção anual, o preço do ouro é afetado principalmente por mudanças no sentimento, o que afeta igualmente a oferta e a demanda do mercado, e não por mudanças na produção anual. De acordo com o World Gold Council, a produção anual de ouro nas minas nos últimos anos tem se aproximado de 2.500 toneladas. Cerca de 2.000 toneladas vão para a produção de joias, industrial e odontológica, e cerca de 500 toneladas vão para investidores de varejo e fundos de ouro negociados em bolsa.

Bancos centrais

Os bancos centrais e o Fundo Monetário Internacional desempenham um papel importante no preço do ouro. No final de 2004, os bancos centrais e as organizações oficiais detinham 19% de todo o ouro acima do solo como reservas oficiais de ouro. O Washington Agreement on Gold (WAG) de dez anos, que data de setembro de 1999, limitou as vendas de ouro por seus membros (Europa, Estados Unidos, Japão, Austrália, Banco de Compensações Internacionais e Fundo Monetário Internacional) a menos de 400 toneladas por ano. Em 2009, esse acordo foi prorrogado por cinco anos, com um limite de 500 toneladas. Os bancos centrais europeus, como o Banco da Inglaterra e o Banco Nacional da Suíça, foram os principais vendedores de ouro durante esse período. Em 2014, o acordo foi prorrogado por mais cinco anos, com 400 toneladas por ano. Em 2019, o acordo não foi prorrogado novamente.

Embora os bancos centrais geralmente não anunciem compras de ouro com antecedência, alguns, como a Rússia, expressaram interesse em aumentar suas reservas de ouro novamente no final de 2005. No início de 2006, a China, que detém apenas 1,3% de suas reservas em ouro, anunciou que estava procurando maneiras de melhorar os retornos de suas reservas oficiais. Alguns otimistas esperam que isso sinalize que a China poderá reposicionar mais de suas reservas em ouro, em linha com outros bancos centrais. Os investidores chineses começaram a buscar o investimento em ouro como uma alternativa ao investimento em euro após o início da crise da zona do euro em 2011. Desde então, a China se tornou o maior consumidor de ouro do mundo em 2013.

O preço do ouro pode ser influenciado por diversas variáveis macroeconômicas. Essas variáveis incluem o preço do petróleo, o uso de flexibilização quantitativa, movimentos da taxa de câmbio e retornos nos mercados de ações.

Proteção contra estresse financeiro

O ouro, como todos os metais preciosos, pode ser usado como proteção contra inflação, deflação ou desvalorização da moeda, embora sua eficácia como tal tenha sido questionada; historicamente, ele não se mostrou confiável como instrumento de proteção. Uma característica única do ouro é que ele não apresenta risco de inadimplência.

Barras de ouro

A maneira mais tradicional de investir em ouro é comprando barras de ouro. Em alguns países, como Canadá, Áustria, Liechtenstein e Suíça, essas barras podem ser facilmente compradas ou vendidas nos principais bancos. Como alternativa, há negociantes de barras de ouro que prestam o mesmo serviço. As barras estão disponíveis em vários tamanhos. Por exemplo, na Europa, as barras Good Delivery têm aproximadamente 400 onças troy (12 kg). As barras de 1 quilograma (32,2 ozt) também são populares, embora existam muitos outros pesos, como 10 ozt (310 g), 1 ozt (31 g), 10 g, 100 g, 1 kg, 1 Tael (50 g na China) e 1 Tola (11,3 g).

As barras geralmente têm prêmios de preço mais baixos do que as moedas de ouro. Entretanto, as barras maiores apresentam um risco maior de falsificação devido aos parâmetros menos rigorosos de aparência. Enquanto as moedas de ouro podem ser facilmente pesadas e medidas em relação a valores conhecidos para confirmar sua veracidade, a maioria das barras não pode ser pesada, e os compradores de ouro geralmente mandam reavaliar as barras. As barras maiores também têm um volume maior para criar uma falsificação parcial usando uma cavidade preenchida com tungstênio, que pode não ser revelada por um ensaio. O tungstênio é ideal para essa finalidade porque é muito mais barato que o ouro, mas tem a mesma densidade (19,3 g/cm3).

As barras de boa entrega mantidas no sistema do London Bullion Market (LBMA) têm uma cadeia de custódia verificável, que começa com o refinador e o ensaiador e continua com o armazenamento em cofres reconhecidos pelo LBMA. As barras no sistema LBMA podem ser compradas e vendidas facilmente. Se uma barra for removida dos cofres e armazenada fora da cadeia de integridade, por exemplo, armazenada em casa ou em um cofre particular, ela terá de ser reavaliada antes de retornar à cadeia da LBMA. Esse processo é descrito nas "Good Delivery Rules" da LBMA.

A "cadeia de custódia rastreável" da LBMA inclui refinadores e cofres. Ambos devem atender às suas diretrizes rigorosas. Os produtos de ouro dessas refinarias confiáveis são negociados pelo valor nominal pelos membros da LBMA sem testes de ensaio. Ao comprar barras de ouro de um revendedor membro da LBMA e armazená-las em um cofre reconhecido pela LBMA, os clientes evitam a necessidade de reavaliação ou a inconveniência de tempo e despesas que isso custaria. Entretanto, isso não é 100% certo; por exemplo, a Venezuela transferiu seu ouro devido ao risco político para eles. E, como mostra o passado, pode haver risco mesmo em países considerados democráticos e estáveis; por exemplo, nos EUA, na década de 1930, o ouro foi confiscado pelo governo e a movimentação legal foi proibida.

Os esforços para combater a falsificação de barras de ouro incluem as kinebars, que empregam uma tecnologia holográfica exclusiva e são fabricadas pela refinaria Argor-Heraeus na Suíça.

Moedas de ouro

As moedas de ouro são uma forma comum de possuir ouro. As moedas de ouro são precificadas de acordo com seu peso fino, mais um pequeno prêmio com base na oferta e na demanda (ao contrário das moedas de ouro numismáticas, que são precificadas principalmente pela oferta e demanda com base na raridade e na condição).

Os tamanhos das moedas de ouro variam de 0,1 a 2 onças troy (3,1 a 62,2 g), sendo o tamanho de 1 onça troy (31 g) o mais popular e prontamente disponível.

O Krugerrand é a moeda de ouro em barras mais difundida, com 46 milhões de onças troy (1.400 toneladas) em circulação. Outras moedas de ouro comuns incluem o Australian Gold Nugget (Canguru), Austrian Philharmoniker (Filarmônica), Austrian 100 Corona, Canadian Gold Maple Leaf, Chinese Gold Panda, Malaysian Kijang Emas, French Napoleon ou Louis d'Or, Mexican Gold 50 Peso, British Sovereign, American Gold Eagle e American Buffalo.

As moedas podem ser compradas de uma variedade de negociantes, grandes e pequenos. Moedas de ouro falsas são comuns e geralmente são feitas de ligas com camadas de ouro.

Rodadas de ouro

As rodadas de ouro se parecem com moedas de ouro, mas não têm valor monetário. Elas variam em tamanhos semelhantes aos das moedas de ouro, incluindo 0,05 onça troy (1,6 g), 1 onça troy (31 g) e maiores. Ao contrário das moedas de ouro, as rodadas de ouro geralmente não têm metais adicionais adicionados a elas para fins de durabilidade e não precisam ser fabricadas por uma casa da moeda do governo, o que permite que as rodadas de ouro tenham um preço mais baixo em comparação com as moedas de ouro. Por outro lado, as rodadas de ouro normalmente não são tão colecionáveis quanto as moedas de ouro.

Produtos de ouro negociados em bolsa

Os produtos negociados em bolsa de ouro podem incluir fundos negociados em bolsa (ETFs), notas negociadas em bolsa (ETNs) e fundos fechados (CEFs), que são negociados como ações nas principais bolsas de valores. O primeiro ETF de ouro, Gold Bullion Securities (símbolo "GOLD"), foi lançado em março de 2003 na Bolsa de Valores da Austrália e originalmente representava exatamente 0,1 onça troy (3,1 g) de ouro. Em novembro de 2010, o SPDR Gold Shares era o segundo maior fundo negociado em bolsa do mundo em termos de capitalização de mercado.

Os produtos de ouro negociados em bolsa (ETPs) representam uma maneira fácil de obter exposição ao preço do ouro, sem a inconveniência de armazenar barras físicas. Entretanto, os instrumentos de ouro negociados em bolsa, mesmo aqueles que mantêm ouro físico para o benefício do investidor, apresentam riscos além daqueles inerentes ao próprio metal precioso. Por exemplo, o ETP de ouro mais popular (GLD) tem sido amplamente criticado e até mesmo comparado a títulos lastreados em hipotecas, devido às características de sua estrutura complexa.

Normalmente, é cobrada uma pequena comissão pela negociação de ETPs de ouro e uma pequena taxa anual de armazenamento. As despesas anuais do fundo, como taxas de armazenamento, seguro e administração, são cobradas pela venda de uma pequena quantidade de ouro representada por cada certificado, de modo que a quantidade de ouro em cada certificado diminuirá gradualmente ao longo do tempo.

Os fundos negociados em bolsa, ou ETFs, são empresas de investimento legalmente classificadas como empresas abertas ou fundos de investimento unitário (UITs), mas que diferem das empresas abertas tradicionais e dos UITs. As principais diferenças são que os ETFs não vendem diretamente aos investidores e emitem suas ações nas chamadas "Unidades de Criação" (grandes blocos, como blocos de 50.000 ações). Além disso, as Unidades de Criação não podem ser compradas com dinheiro, mas com uma cesta de títulos que espelha a carteira do ETF. Normalmente, as Unidades de Criação são divididas e revendidas em um mercado secundário.

As ações do ETF podem ser vendidas de duas maneiras: Os investidores podem vender as ações individuais a outros investidores, ou podem vender as Creation Units de volta ao ETF. Além disso, os ETFs geralmente resgatam Unidades de Criação dando aos investidores os títulos que compõem a carteira em vez de dinheiro. Devido à capacidade limitada de resgate das ações do ETF, os ETFs não são considerados e não podem se autodenominar fundos mútuos.

Certificados de ouro

Os certificados de ouro permitem que os investidores em ouro evitem os riscos e os custos associados à transferência e ao armazenamento de barras de ouro físicas (como roubo, grande spread entre oferta e oferta e custos de ensaios metalúrgicos), assumindo um conjunto diferente de riscos e custos associados ao próprio certificado (como comissões, taxas de armazenamento e vários tipos de risco de crédito).

Os bancos podem emitir certificados de ouro para ouro que esteja alocado (totalmente reservado) ou não alocado (agrupado). Os certificados de ouro não alocados são uma forma de banco de reservas fracionárias e não garantem uma troca igual de metal no caso de uma corrida ao ouro depositado pelo banco emissor. Os certificados de ouro alocados devem ser correlacionados com barras numeradas específicas, embora seja difícil determinar se um banco está alocando indevidamente uma única barra para mais de uma parte.

As primeiras cédulas bancárias de papel eram certificados de ouro. Elas foram emitidas pela primeira vez no século XVII, quando foram usadas por ourives na Inglaterra e na Holanda para clientes que mantinham depósitos de barras de ouro em seus cofres para segurança. Dois séculos depois, os certificados de ouro começaram a ser emitidos nos Estados Unidos, quando o Tesouro dos EUA emitiu esses certificados que podiam ser trocados por ouro. O governo dos Estados Unidos autorizou o uso de certificados de ouro pela primeira vez em 1863. Em 5 de abril de 1933, o governo dos EUA restringiu a propriedade privada de ouro nos Estados Unidos e, portanto, os certificados de ouro deixaram de circular como dinheiro (essa restrição foi revertida em 1º de janeiro de 1975). Atualmente, os certificados de ouro ainda são emitidos por programas de pool de ouro na Austrália e nos Estados Unidos, bem como por bancos na Alemanha, Suíça e Vietnã.

Contas de ouro

Há muitos tipos de "contas" de ouro disponíveis. Contas diferentes impõem tipos variados de intermediação entre o cliente e seu ouro. Uma das diferenças mais importantes entre as contas é se o ouro é mantido em uma base alocada (totalmente reservada) ou não alocada (agrupada). As contas de ouro não alocadas são uma forma de banco de reservas fracionárias e não garantem uma troca igual de metal no caso de uma corrida ao ouro depositado pelo emissor. Outra diferença importante é a força da reivindicação do titular da conta sobre o ouro, caso o administrador da conta enfrente passivos denominados em ouro (devido a uma posição vendida ou vendida a descoberto em ouro, por exemplo), confisco de ativos ou falência.

Muitos bancos oferecem contas em ouro nas quais o ouro pode ser comprado ou vendido instantaneamente, como qualquer moeda estrangeira, em uma base de reserva fracionária. Os bancos suíços oferecem um serviço semelhante em uma base totalmente alocada. As contas de pool, como as oferecidas por alguns fornecedores, facilitam reivindicações altamente líquidas, mas não alocadas, sobre o ouro de propriedade da empresa. Os sistemas de moeda digital de ouro operam como contas de pool e, além disso, permitem a transferência direta de ouro fungível entre os membros do serviço. Outras operadoras, por outro lado, permitem que os clientes criem uma fiança sobre o ouro alocado (não fungível), que se torna propriedade legal do comprador.

Outras plataformas oferecem um mercado em que o ouro físico é alocado para o comprador no ponto de venda e se torna sua propriedade legal. Esses provedores são meramente custodiantes do ouro do cliente, que não aparece em seu balanço patrimonial.

Normalmente, os bancos de ouro só negociam quantidades de 1.000 onças troy (31 kg) ou mais em contas alocadas ou não alocadas. Para investidores privados, o ouro armazenado em cofre oferece a possibilidade de pessoas físicas obterem a propriedade de ouro armazenado em cofre profissionalmente a partir de requisitos mínimos de investimento de vários milhares de dólares americanos ou denominações tão baixas quanto um grama.

Derivativos, CFDs e apostas em spread

Os derivativos, como contratos a termo, futuros e opções de ouro, são atualmente negociados em várias bolsas de valores em todo o mundo e no mercado de balcão (OTC) diretamente no mercado privado. Nos Estados Unidos, os futuros de ouro são negociados principalmente na New York Commodities Exchange (COMEX) e na Euronext.liffe. Na Índia, os futuros de ouro são negociados na National Commodity and Derivatives Exchange (NCDEX) e na Multi Commodity Exchange (MCX).

A partir de 2009, os detentores de futuros de ouro da COMEX tiveram problemas para receber a entrega de seu metal. Além dos atrasos crônicos na entrega, alguns investidores receberam barras que não correspondem ao seu contrato em termos de número de série e peso. Os atrasos não podem ser facilmente explicados por movimentos lentos do armazém, pois os relatórios diários desses movimentos mostram pouca atividade. Devido a esses problemas, há preocupações de que a COMEX possa não ter o estoque de ouro para respaldar seus recibos de depósito existentes.

Fora dos EUA, várias empresas oferecem negociação sobre o preço do ouro por meio de contratos por diferença (CFDs) ou permitem apostas de spread sobre o preço do ouro.

Empresas de mineração de ouro

Em vez de comprar o ouro em si, os investidores podem comprar as empresas que produzem o ouro como ações de empresas de mineração de ouro. Se o preço do ouro subir, é de se esperar que os lucros da empresa de mineração de ouro aumentem e o valor da empresa aumente e, presumivelmente, o preço das ações também subirá. No entanto, há muitos fatores a serem levados em conta e nem sempre o preço das ações sobe quando o preço do ouro aumenta. As minas são empreendimentos comerciais e estão sujeitas a problemas como inundação, subsidência e falha estrutural, bem como má administração, publicidade negativa, nacionalização, roubo e corrupção. Esses fatores podem reduzir os preços das ações das empresas de mineração.

O preço do ouro em barras é volátil, mas as ações e os fundos de ouro sem hedge são considerados de risco ainda maior e mais voláteis. Essa volatilidade adicional se deve à alavancagem inerente ao setor de mineração. Por exemplo, se alguém possui uma ação em uma mina de ouro em que os custos de produção são de US$ 300 por onça troy (US$ 9,6 por grama) e o preço do ouro é de US$ 600 por onça troy (US$ 19/g), a margem de lucro da mina será de US$ 300. Um aumento de 10% no preço do ouro para US$ 660 por onça troy (US$ 21/g) elevará essa margem para US$ 360, o que representa um aumento de 20% na lucratividade da mina e, possivelmente, um aumento de 20% no preço das ações. Além disso, com preços mais altos, mais onças de ouro tornam-se economicamente viáveis para a mineração, permitindo que as empresas aumentem sua produção. Por outro lado, os movimentos das ações também amplificam as quedas no preço do ouro. Por exemplo, uma queda de 10% no preço do ouro para US$ 540 por onça troy (US$ 17/g) reduzirá essa margem para US$ 240, o que representa uma queda de 20% na lucratividade da mina e, possivelmente, uma queda de 20% no preço das ações.

Para reduzir essa volatilidade, algumas empresas de mineração de ouro fazem hedge do preço do ouro com até 18 meses de antecedência. Isso proporciona à empresa de mineração e aos investidores menos exposição às flutuações de curto prazo do preço do ouro, mas reduz os retornos quando o preço do ouro está subindo.

Análise fundamentalista

Os investidores que utilizam a análise fundamentalista analisam a situação macroeconômica, que inclui indicadores econômicos internacionais, como taxas de crescimento do PIB, inflação, taxas de juros, produtividade e preços de energia. Eles também analisariam a oferta global anual de ouro versus a demanda.

Ouro versus ações

O desempenho das barras de ouro é frequentemente comparado ao das ações como diferentes veículos de investimento. O ouro é considerado por alguns como uma reserva de valor (sem crescimento), enquanto as ações são consideradas como um retorno sobre o valor (ou seja, o crescimento do aumento antecipado do preço real mais os dividendos). As ações e os títulos têm melhor desempenho em um clima político estável, com fortes direitos de propriedade e pouca turbulência. O gráfico anexo mostra o valor do Dow Jones Industrial Average dividido pelo preço de uma onça de ouro. Desde 1800, as ações têm se valorizado consistentemente em comparação com o ouro, em parte devido à estabilidade do sistema político americano. Essa valorização tem sido cíclica, com longos períodos de desempenho superior das ações seguidos por longos períodos de desempenho superior do ouro. O Dow Industrials atingiu uma proporção de 1:1 com o ouro em 1980 (o fim do mercado em baixa da década de 1970) e continuou a registrar ganhos durante as décadas de 1980 e 1990. O pico do preço do ouro em 1980 também coincidiu com a invasão do Afeganistão pela União Soviética e a ameaça da expansão global do comunismo. A relação atingiu o pico em 14 de janeiro de 2000, com um valor de 41,3, e caiu drasticamente desde então.

Um argumento é que, no longo prazo, a alta volatilidade do ouro, quando comparado a ações e títulos, significa que o ouro não mantém seu valor em comparação com ações e títulos:

Para dar um exemplo extremo, enquanto um dólar investido em títulos em 1801 valeria quase mil dólares em 1998, um dólar investido em ações nesse mesmo ano valeria mais de meio milhão de dólares em termos reais. Enquanto isso, um dólar investido em ouro em 1801 valeria, em 1998, apenas 78 centavos de dólar.

Uso de alavancagem

Os investidores podem optar por alavancar sua posição tomando dinheiro emprestado contra seus ativos existentes e, em seguida, comprando ou vendendo ouro por conta com os fundos emprestados. A alavancagem também é parte integrante da negociação de derivativos de ouro e ações não cobertas de empresas de mineração de ouro. A alavancagem ou os derivativos podem aumentar os ganhos do investimento, mas também aumentam o risco correspondente de perda de capital se a tendência se inverter.

Carregando
Swap de compra [[ data.swapLong ]] pontos
Swap de venda [[ data.swapShort ]] pontos
Spread min [[ data.stats.minSpread ]]
Spread padrão [[ data.stats.avgSpread ]]
Tamanho mínimo de contrato [[ data.minVolume ]]
Tamanho mínimo de step [[ data.stepVolume ]]
Comissão e Swap Comissão e Swap
Alavancagem Alavancagem
Horários de trading Horários de trading

* Os spreads fornecidos são um reflexo da média ponderada no tempo. Embora a Skilling tente fornecer spreads competitivos durante todas as horas de negociação, os clientes devem observar que eles podem variar e são suscetíveis às condições de mercado subjacentes. O acima é fornecido apenas para fins indicativos. Aconselha-se o cliente a consultar as notícias importantes no nosso Calendário Económico, que podem resultar na ampliação dos spreads, entre outros.

Os spreads acima são aplicáveis em condições normais de negociação. Skilling tem o direito de alterar os spreads acima de acordo com as condições de mercado de acordo com os 'Termos e Condições'.

Faça Trade de [[data.name]] com Skilling

Dê uma olhada no setor de commodities! Diversifique com uma única posição.

  • Faça Trade 24/5
  • Requerimento de margem mínimos
  • Os menores spreads
  • Plataforma fácil de usar
Registre-se

FAQs

Quais são as diferenças entre ouro e prata?

+ -

O ouro e a prata são dois dos metais mais negociados no mundo, mas entender suas diferenças é uma tarefa complexa e em constante evolução. O ouro costuma ser visto como um investimento seguro, pois seu valor geralmente permanece alto mesmo quando outros mercados flutuam . Por outro lado, a prata pode ser mais volátil devido aos seus muitos usos industriais, portanto, negociar com CFDs traz mais riscos do que investir em ouro.

No entanto, alguns comerciantes de metais preciosos ainda encontram vantagens em negociar com prata em relação ao ouro : a demanda por prata industrial pode levar à flutuação dos preços, o que apresenta oportunidades para investidores experientes. Em última análise, as diferenças entre ouro e prata dependem muito de suas respectivas condições de mercado; enquanto um pode ganhar de uma vez, o outro pode ganhar significativamente em outra.

Quanto ouro está disponível?

+ -

Quando se trata de recursos de ouro, a quantidade disponível no mundo hoje pode variar muito. As estimativas variam de 165.000 toneladas a mais de 2 milhões de toneladas, representando ouro acessível e inacessível. O que é certo é que o ouro continua a ser um ativo valioso e seu valor flutua de acordo com as forças do mercado. A mineração e a prospecção de ouro permanecem empreendimentos muito lucrativos como resultado do valor inerente do ouro.

Na verdade, o ouro tem sido usado desde os tempos antigos como moeda e ainda tem alguma importância nas economias modernas com países como a China liderando o ataque. Embora o ouro não possa ser extraído e comercializado tanto quanto outras commodities como petróleo ou trigo, o ouro disponível permanece significativo tanto econômica quanto culturalmente em todo o mundo.

Como negociar ouro?

+ -

Aqueles que desejam negociar ouro têm algumas opções; você pode comprar ouro físico, como moedas e barras, usar futuros e opções ou optar por negociar Contratos por Diferenças (CFDs). CFDs são essencialmente um acordo entre duas partes que estipulam quanto dinheiro será trocado dependendo de como o preço de um ativo (neste caso, ouro) muda.

Ao usar CFDs ao negociar ouro, você se beneficiará da capacidade de alavancar sua posição - o que significa que você pode abrir uma posição maior do que apenas com seu capital sozinho - mas vale a pena notar que o maior risco associado requer consideração cuidadosa. Dito isso, negociar ouro pode ser uma ótima maneira de obter exposição tanto ao potencial positivo quanto ao risco negativo de possuir ouro por uma fração do custo.

Faça Trade de [[data.name]]

Aproveite ao máximo a flutuação dos preços - não importa a direção que os preços se direcionam e sem restrição de capital que acompanham ao comprar o ativo em si.

CFDs
Commodities de fato
chart-long.svg

Capitalize na valorização de preços (long)

green-check-ico.svg
green-check-ico.svg
chart-short.svg

Capitalize na desvalorização de preços (short)

green-check-ico.svg
leverage-ico.svg

Faça trade na volatividade

green-check-ico.svg
trade-ico.svg

Faça trade na volatividade

green-check-ico.svg
commissions-ico.svg

Sem comissões
Apenas baixos spreads

green-check-ico.svg
risk-ico.svg

Gerencie o risco com ferramentas dentro da plataforma
Possibilidade de adicionar níveis de "take profit" e "stop loss"

green-check-ico.svg